“CALLING ME GAY DOESN’T MAKE YOU ANY MORE STRAIGHT”

Este debate em inglês do Talk of the Town conta a história de Theo Chen, um menino de 12 anos nascido em Singapura que vem sofrendo bullying na escola. Chen virou sucesso na internet quando postou um video falando diretamente sobre seu problema. Temas como violência e preconceito, homofobia, educação e limites serão discutidos.

Os encontros estão abertos a alunos e também a convidados interessados em experimentar o método, com inglês de nível intermediário e avançado. Consultas sobre datas, horários e agendamento de debates por telefone 2227-4067/ 8879-7689 ou e-mail: contato@talkofthetown.com.br

 

PARTICIPE DE UM DEBATE SEM COMPROMISSO

BARACK OBAMA ON GAY MARRIAGE

A polêmica declaração de Barack Obama em apoio ao casamento gay e sua repercussão em meio à campanha política norte-americana é o assunto desta série de debates do Talk of the Town. Homossexualismo e preconceito, laços familiares, direitos civis, monogamia, homofobia, assim como as estratégias de marketing político dos candidatos à presidência dos EUA são os principais temas abordados.

Os encontros estão abertos a alunos e também a convidados interessados em experimentar o método, com inglês de nível intermediário e avançado. Consultas sobre datas, horários e agendamento de debates por telefone 2227-4067/ 8879-7689 ou
e-mail: contato@talkofthetown.com.br.

PARTICIPE DE UM DEBATE SEM COMPROMISSO

DEREK PARAVICINI: THE HUMAN I POD

DEREK PARAVICINI: THE HUMAN I PODEsta semana, o Talk of the Town conta a história de um gênio da música que também é cego, autista e sofre de severas dificuldades de fala e aprendizado.

Derek Paravicini nos estimula a discutir temas como a riqueza e o potencial do cérebro humano, os desafios dos deficientes físicos, o preconceito, a superação, a liberdade de expressão e o poder da linguagem musical.

Os debates serão realizados em inglês para participantes de nível intermediário e avançado no Talk of the Town.

 

AGENDE UM DEBATE SEM COMPROMISSO.
Ligue 2227-4067/ 8879-7689

HOW WE GET ADDICTED

HOW WE GET ADDICTEDA história de um ex-alcoólatra norte-americano há quase trinta anos sem beber, cujo cérebro foi scaneado e estudado cientificamente, é o ponto de partida para a abordagem de temas como a influência do componente genético nos vícios, o resultado dos tratamentos de grupos de ajuda, o alcoolismo visto como doença, o preconceito, a relação entre prazer e dor, o consumo de álcool por menores de idade, o narcotráfico e suas implicações sociais. Outros tipos de compulsão como a compras, sexo, comida, chocolates também são abordados.

Os debates serão realizados em inglês para participantes de nível intermediário e avançado no Talk of the Town.

AGENDE UM DEBATE SEM COMPROMISSO

2227-4067/ 8879-7689 ou contato@talkofthetown.com.br

RIOTS IN LONDON

RIOTS IN LONDONA cobertura da mídia internacional dada à recente onda de saques e protestos em Londres é o ponto de partida para este debate. Os talkies discutem temas como violência urbana, direitos humanos, segurança pública, preconceito racial, colonialismo e são convidados a traçar um paralelo entre a realidade londrina e carioca – as próximas duas cidades a sediar os Jogos Olímpicos.

Os debates serão realizados em inglês para participantes de nível intermediário e avançado no Talk of the Town.

AGENDE UM DEBATE SEM COMPROMISSO

2227-4067/ 8879-7689 ou contato@talkofthetown.com.br

CHILD LABELING

CHILD LABELINGEste debate é fundamentado em vídeos e textos de psicólogos contemporâneos sobre a rotulação do comportamento infantil por parte dos adultos e a influência desses rótulos na personalidade em formação. Os talkies têm a oportunidade de discutir questões como amor e limites, formas de comunicação e metacomunicação entre pais e filhos, códigos de família, vícios de linguagem, atenção e comunicação subliminar, auto estima, inteligência emocional e os limites entre o que pode ou deve ser moldado na personalidade da criança.

 

AGENDE UM DEBATE SEM COMPROMISSO

2227-4067/ 8879-7689 ou contato@talkofthetown.com.br

BRENE BROWN ON VULNERABILITY

 BRENE BROWN ON VULNERABILITY“O que não se mede não existe”. Este debate se baseia no trabalho da pesquisadora norte-americana Brene Brown da University of Houston Graduate College of Social Work, que passou os últimos dez anos estudando e medindo conceitos intangíveis como vulnerabilidade, coragem, autenticidade, vergonha, empatia. Estimulados por videos e artigos, os talkies discutem as conclusões da pesquisadora e se defrontam com seus próprios sentimentos, suas limitações, vícios e preconceitos.

Os debates serão realizados em inglês para participantes de nível intermediário e avançado no Talk of the Town.

AGENDE UM DEBATE SEM COMPROMISSO

2227-4067/ 8879-7689 ou contato@talkofthetown.com.br

CRASH – NO LIMITE

Crash - No LimiteGanhador de três Oscars em 2006 – melhor filme, melhor roteiro original e melhor edição – este filme de Paul Haggis, estrelando Brendan Fraser, Matt Dillon e Sandra Bullock, nos convida a pensar sobre os conflitos gerados pela convivência de povos, raças, culturas e religiões completamente diferentes num mesmo espaço – a Los Angeles pós 11 de setembro. O debate, realizado em dois encontros consecutivos, prevê a exibição do filme, análise dos personagens, do enredo, tema e contextualização histórica, traçando, também, um paralelo entre o preconceito na sociedade norte-americana e na brasileira.

Crash apresenta uma série de possíveis interpretações. A constatação pura e simples de que o preconceito está entranhado em todos os grupos que compõem a sociedade americana é apenas o ponto de partida para uma discussão mais abrangente, que inclui a relativização dos conceitos de “bom” e “mau”, tão estereotipada pelos filmes de Hollywood. Crash mostra como o medo e o não conhecimento do outro nos leva a agir defensivamente. Até que ponto esta atitude é justificável pela necessidade de auto-preservação, e até que ponto ela realimenta o próprio preconceito, a violência e o medo?

Por que tememos o que nos parece diferente de nós? Será que o que parece diferente realmente é? Ou será que, na essência, somos todos iguais?

Crash também discute questões como o limite tênue e frágil entre a normalidade e o caos nos grandes centros urbanos, a dignidade humana, a capacidade de superação, a redenção. Será que a proximidade geográfica, a inevitabilidade da convivência no mundo globalizado do século XXI, a longo prazo, tende a tornar a humanidade mais tolerante? Ou será justamente o contrário?