ANNA KARENINA, BY JOE WRIGHT

A produção britânica, baseada no romance de Leo Tolstoy com roteiro de Tom Stoppard, tem gerado opiniões extremas, apresentando uma linguagem cênica que mistura cinema e teatro. Quem viu, adorou, ou detestou. Este debate em inglês do Talk of the Town parte da exibição de cenas do filme para discutir temas como amor e traição, a hipocrisia, as convenções sociais, as heroínas do realismo, a luta feminina pela liberdade ao longo dos séculos.

Os encontros são abertos a alunos e também a convidados interessados em experimentar o método, com inglês de nível intermediário e avançado. Consultas sobre datas, horários e agendamento de debates por telefone 2227-4067/ 8879-7689 ou e-mail: contato@talkofthetown.com.br.

PARTICIPE DE UM DEBATE SEM COMPROMISSO

the cave of forgotten dreams

Este debate do Talk of the Town é baseado no documentário de Werner Herzog sobre a caverna de Chauvet, no sul da França. Descoberta na década de 90, esta preciosidade arqueológica contém as mais antigas pinturas rupestres jamais conhecidas. Produzidas há mais de 30.000 anos, estas obras revelam técnica, sensibilidade e qualidades artísticas                  impressionantes.

O debate acontece em duas sessões, com exibição de cenas do documentário e discussões sobre a origem do homem, da arte e da cultura, a busca pelo desconhecido, a inteligência e os instintos, o uso que fazemos de nossos sentidos.

Os encontros estão abertos a alunos e também a convidados interessados em experimentar o método, com inglês de nível intermediário e avançado. Consultas sobre datas, horários e agendamento de debates por telefone 2227-4067/ 8879-7689 ou e-mail: contato@talkofthetown.com.br.

PARTICIPE DE UM DEBATE SEM COMPROMISSO.

THE PRINCESS AND THE TERMINATOR

THE PRINCESS AND THE TERMINATORA revista Newsweek abordou de forma não convencional o escândalo envolvendo Arnold Schwarzenegger e o filho bastardo de 10 anos. Segundo a publicação, depois dos 60, os homens e mulheres de hoje vivem uma espécie de segunda adolescência. Neste debate, os talkies discutem temas como fidelidade conjugal, divórcios milionários, reputação política, cinema e mídia sensacionalista, fases de transição da vida a dois e os novos modelos de masculinidade na sociedade americana.

Os debates serão realizados em inglês para participantes de nível intermediário e avançado no Talk of the Town.

AGENDE UM DEBATE SEM COMPROMISSO

2227-4067/ 8879-7689 ou contato@talkofthetown.com.br

CRASH – NO LIMITE

Crash - No LimiteGanhador de três Oscars em 2006 – melhor filme, melhor roteiro original e melhor edição – este filme de Paul Haggis, estrelando Brendan Fraser, Matt Dillon e Sandra Bullock, nos convida a pensar sobre os conflitos gerados pela convivência de povos, raças, culturas e religiões completamente diferentes num mesmo espaço – a Los Angeles pós 11 de setembro. O debate, realizado em dois encontros consecutivos, prevê a exibição do filme, análise dos personagens, do enredo, tema e contextualização histórica, traçando, também, um paralelo entre o preconceito na sociedade norte-americana e na brasileira.

Crash apresenta uma série de possíveis interpretações. A constatação pura e simples de que o preconceito está entranhado em todos os grupos que compõem a sociedade americana é apenas o ponto de partida para uma discussão mais abrangente, que inclui a relativização dos conceitos de “bom” e “mau”, tão estereotipada pelos filmes de Hollywood. Crash mostra como o medo e o não conhecimento do outro nos leva a agir defensivamente. Até que ponto esta atitude é justificável pela necessidade de auto-preservação, e até que ponto ela realimenta o próprio preconceito, a violência e o medo?

Por que tememos o que nos parece diferente de nós? Será que o que parece diferente realmente é? Ou será que, na essência, somos todos iguais?

Crash também discute questões como o limite tênue e frágil entre a normalidade e o caos nos grandes centros urbanos, a dignidade humana, a capacidade de superação, a redenção. Será que a proximidade geográfica, a inevitabilidade da convivência no mundo globalizado do século XXI, a longo prazo, tende a tornar a humanidade mais tolerante? Ou será justamente o contrário?